Ideias na Mesa - Blog


postado por Ana Maria Thomaz Maya Martins em Quinta-feira, 23 de Março de 2017

Marion Nestle é professora no Departamento de Nutrição, Estudos Alimentares e Saúde Pública da Universidade de Nova Iorque. Nestle é autora de nove livros, incluindo Política dos alimentos: Como a indústria de alimentos influencia a Nutrição e a Saúde.

Em entrevista, Nestle fala sobre como e por que a indústria de alimentos investe na ciência da nutrição.

P: O financiamento da indústria de alimentos influencia os cientistas?

R: Sim. Estudo pós estudo e comentário pós comentário mostram que influencia. Isso tem sido visto nas pesquisas sobre o tabaco, os produtos químicos e as drogas farmacêuticas, que, nessa perspectiva, são as mais próximas aos alimentos.

A pesquisa sobre a influência da “Big Pharma” nas práticas de prescrição ou de investigação dos médicos iniciou há 40 anos. Há evidências de que um presente minúsculo da indústria farmacêutica, como uma caneta ou um bloco de papel, é suficiente para mudar as práticas de prescrição. E os médicos não conseguem perceber isso.

 

P: Eles não são conscientes sobre essa influência?

R: Não, é inconsciente. Eles acham que outras pessoas são influenciadas pela indústria, mas eles não. Eles não têm a intenção de vender um produto. Na verdade, eles negam veementemente essa prática.

Muitas vezes, eles não se aproximam das empresas de alimentos que financiam pesquisas, pois têm uma ideia de que estariam sendo comprados para garantir o cumprimento dos interesses da indústria e essa não é a intenção. A intenção era apenas para obter dinheiro para a pesquisa. O efeito não é reconhecido, não é intencional, mas inconsciente.

 

P: O que sua pesquisa mostrou?

R: Durante um ano, coletei estudos que foram financiados pela indústria de alimentos. Esta foi uma coleta casual. Dos 168 estudos que encontrei 156 deles tiveram resultados que foram favoráveis ao patrocinador e apenas 12 não.

 

P: As revisões sistemáticas concordam?

A: Apenas cerca de uma dúzia de opiniões têm olhado sobre isso. A maioria das evidências é consistente em relação aos estudos apresentados, sobre a indústria farmacêutica . Eles acham que os estudos financiados pela indústria são mais propensos a favorecer os produtos dos financiadores. Isso tem sido mostrado tantas vezes que é um dado. Exceções existem, mas são raras.

 

P: O quanto a indústria está envolvida?

R: É quase impossível obter evidências sobre isso, porque você não está lá enquanto os estudos estão sendo feitos.

Mas alguns e-mails foram reveladores. Por exemplo, em 2015, o New York Times obteve e-mails revelando que a Coca-Cola estava intimamente envolvida com pesquisadores cujos estudos visavam minimizar os efeitos das bebidas açucaradas sobre a obesidade.

 

P: E o recente estudo afirmando que o conselho de comer menos açúcar é baseado em pesquisas fracas?

R: Os autores disseram que o patrocinador do estudo, o “Instituto Internacional de Ciências da Vida (ILSI)”, financiado pela indústria de alimentos e de bebidas açucaradas, não tinha nada a ver com o estudo. Mas Candice Choi, uma repórter, tinha e-mails mostrando que o financiador tinha muito a ver com o estudo.

 

P: Os repórteres não podem pegar as falhas em estudos financiados pela indústria?

R: Até eu posso ter problemas com isso. Às vezes é óbvio, mas às vezes não é. E pode não haver nada de errado com a forma como a ciência é feita. É como a pergunta foi feita, a pesquisa foi projetada, ou como os resultados foram interpretados que conta.

Ou você poderia ter um resultado que é equívoco, mas você pode rodar os resultados de forma positiva. Eu vi muitos exemplos disso nos 156 estudos que coletei.

 

P: Quais empresas do ramo alimentício financiam pesquisas?

R: É difícil pensar em uma empresa alimentos que não. Eles descobriram que se eles têm um produto que parece ruim, eles podem fazer pesquisas para lançar dúvidas sobre essa ciência e destacar os benefícios da comida. Isso inclui açúcar, chocolate, Coca-Cola, carne bovina, carne de porco e laticínios.

 

P: E quanto a estudos sobre alimentos mais saudáveis?

R: Há também pesquisa sobre blueberries, amêndoas, caju, pecans, abacates, romãs. Assim, eles podem anunciar esses alimentos como “superfoods”. E funciona. Essa prática salvou a indústria do mirtilo de Maine. Alguém descobriu que as “blueberries” tinham um monte de antioxidantes, e eles começaram a publicidade sobre isso.

 

P: O que as pessoas podem fazer?

R: Desconfiar. Ter mais do que o nível habitual de ceticismo sobre um único estudo. Faça uma pergunta muito simples: Por que esta empresa pagou por este estudo? O que a empresa ganha com isso?

 

P: Os cientistas não precisam divulgar seu financiamento?

R: A maioria das revistas científicas exige divulgação, mas às vezes os autores esquecem. E raramente há consequências se o fizerem. E até mesmo a divulgação completa não controla o problema. Isso faz com que as pessoas pensem que tudo está sendo cuidado.

Pior, há um corpo substancial de pesquisa que mostra que a divulgação pode ter efeitos perversos. Para algumas pessoas, ver a divulgação faz com que confiem mais em um estudo, talvez porque pensem que os autores estão sendo honestos.

 

P: Você não é a favor da divulgação?

R: Absolutamente. Mas precisamos de uma declaração de divulgação unificada, para que todos tenham de revelar a mesma coisa.

 

P: Não se trata apenas de financiar um estudo?

R: Certo. Alguns conflitos são pessoais. Por exemplo, os pesquisadores teriam de dizer que são consultores da Coca-Cola, fizeram pesquisas no passado com a Coca-Cola, tiveram despesas de viagem pagas pela Coca-Cola, ou qualquer outra coisa.

E mesmo quando se trata do estudo, há gradações. Os pagamentos incluem salários para os investigadores, materiais, pagamentos aos sujeitos? Ou é algo tão pouco como o fornecimento de vitaminas?

A literatura da indústria farmacêutica diz que dar aos médicos uma caneta e uma almofada de prescrição é suficiente para mudar suas práticas de prescrição, mas se essas grandes empresas pagam viagens ou sua educação continuada, isso tem um efeito mais forte.

 

P: Algumas pessoas não acreditam que o financiamento da indústria seja apenas um tipo de viés?

R: Sim. Eles argumentam que todos os pesquisadores têm conflitos intelectuais de interesse. Isso é verdade. Você não faria ciência se não tivesse interesses intelectuais.

No entanto, esses estudos são susceptíveis de ser repetido por pessoas que têm interesses intelectuais diferentes. É por isso que na ciência, um estudo não faz uma conclusão.

Mas financiamento da indústria tem apenas uma finalidade, que é vender produtos alimentares. Essa é a principal diferença entre o viés de qualquer cientista e os vieses da indústria.

 

P: Como os cientistas respondem a você?

R: Muitos estão ofendidos. "Você está tentando dizer que todo o financiamento da indústria é ruim?", eles perguntam. Não. Estou dizendo que a pesquisa financiada pela indústria é mais provável de ser feita para fins de marketing. Enormemente mais provável.



Observatório Opsan UNB
facebook
twitter
Layout e programação do site Identidade visual
Faça o ligin para continuar!

clique aqui