Educador-mirim promovendo alimentação saudável na escola
Postado 04/02/2013

 
Postado por
Marize Melo dos Santos

Acauã - PI
86-94523342 8632155863
www.marizesantos.blogspot.com

Organização/Instituição Promotora da Experiência : Universidade Federal do Piauí/Departamento de Nutrição
Área da Experiência: Educação, Saúde
Niveis Atuacao: Municipal/Local
Setor da Organização/Instituição: Outro
Sujeito Idade: De 6 a 10 anos, De 11 a 19 anos,
Número Aproximado de Participantes da Experiência : 101-500
Sujeito Caracteristica :
Tipo Local:
Tipo Experiência: Aula, Dinâmica em Grupo, Feira, Material Impresso
Temática:


Sobre A Iniciativa: A “Promoção da Alimentação Adequada e Saudável” (PAAS), de acordo com a Política Nacional de Alimentação e Nutrição (BRASIL, 2012), deve transcender os limites das unidades de saúde, inserindo-se nos demais equipamentos sociais como espaços comunitários de atividade física e práticas corporais, escolas e creches, associações comunitárias, redes de assistência social e ambientes de trabalho, entre outros”. A escola é um ambiente susceptível a influências, sobretudo nas escolhas alimentares, uma vez que a criança passa a se relacionar com outras pessoas e se depara com outros hábitos sociais. Assim, a escola tem papel na sua formação, como também na ampliação de conhecimentos e práticas que promovam a educação em saúde, como o estímulo aos hábitos alimentares saudáveis para as famílias e comunidades, que poderão desenvolver condutas adequadas à manutenção da saúde (BRASIL, 2008). Como elemento agregador, ressalta-se a educação alimentar e nutricional (EAN) como relevante estratégia, que vem contribuir para a promoção de estilos de vida saudáveis, constituindo ferramenta eficaz na aquisição de conhecimentos sobre nutrição, mudanças de atitudes e comportamentos relacionados à alimentação (CARVALHO; OLIVEIRA; SANTOS, 2010). Contudo, para que haja sucesso na implementação de ações educativas é necessário investir em atividades práticas, que possibilitem o desenvolvimento de ações de educação em saúde e nutrição, com base no contexto da saúde atual, levando o público a desenvolverem o interesse pelo conteúdo, inclusive com produção de material educativo que subsidiem essas ações. Para tanto, essas práticas exigem do profissional Nutricionista a compreensão das diversas dimensões no campo da alimentação (TADDEI; LANG; LONGO-SILVA, 2011; LEÃO; RECINE, 2011) nos ciclos de vida do indivíduo, visando o apoio à adoção de modos de vida saudáveis. Assim, o trabalho realizado teve o propósito de melhorar o nível de conhecimentos sobre alimentação saudável de escolares da rede municipal de Teresina, bem como, mudança de atitude e comportamento alimentar não saudáveis dos grupos participantes, com o auxílio e a participação dos escolares envolvidos.

Objetivos: Avaliar a eficácia de um programa de educação nutricional em escolas públicas municipais, na perspectiva da promoção da alimentação saudável, tendo como foco a identificação de escolares com potencial para ser multiplicador da alimentação saudável na escola, o “educador-mirim”.

Materiais Utilizados na Experiência: A padronização das técnicas educativas foi definida com a elaboração do Manual “Alimentação escolar: planejamento de ações educativas” que facilitou e unificou a realização dos encontros educativos, cujos temas enfocados abordaram os seguintes assuntos: Tema I: Conhecendo os alimentos Tema II: Cuidando dos alimentos Tema IIII: Preparando os alimentos Estratégia - Mãozinhas Mágicas: alegria de comer: Receitas nutritivas I, II e III. ? Durante a realização das sessões educativas foram estimuladas práticas alimentares saudáveis, a partir de estratégicas pedagógicas participativas envolvendo a confecção de preparações, sempre seguidas de degustação. ? O principal recurso utilizado durante as aulas foi a pirâmide alimentar brasileira, enfatizando a importância do consumo dos alimentos em termos de qualidade e quantidade, em porções. ? Para incentivar o consumo, durante os encontros educativos foram oferecidos lanches com alimentos conhecidos e desconhecidos dos alunos, tais como frutas, verduras e legumes, biscoitos integrais, laticínios, pães, dentre outros. O educador-mirim foi identificado durante a execução de cada tema específico, classificados de acordo com a afinidade do tema, desenvoltura, bom comportamento e Adoção de práticas alimentares saudáveis

Passo A Passo: O estudo realizou-se com escolares, na faixa etária de 10 a 14 anos, de ambos os sexos, matriculados no 2º semestre de 2011 e 1º semestre de 2012, em escolas da rede pública municipal de Teresina-Piauí. Definição da amostra A definição da amostra seguiu etapas aleatorizadas: 1. Considerou-se 302 escolas cadastradas na SEMEC, no ano de 2011, para definir os conglomerados, formados por diferentes escolas nas zonas distritais norte (70), sul (95), leste (84) e sudeste (53); 2. O conglomerado sorteado foi o da zona distrital Norte; 3. Foram escolhidas, aleatoriamente, 10% das escolas dentro do conglomerado contendo 28 escolas que agregavam alunos na faixa etária da população do estudo, abrangendo, dessa forma, 3 escolas; 4. Ocorreu o sorteio aleatório da série dentro da escola, sendo uma turma em cada escola, em média com 26 alunos; 5. Formação da turma/grupo de intervenção, contendo no máximo15 escolares; Desenho da intervenção: O protocolo foi uma intervenção de caráter quase-experimental, que possibilitou comparações “antes e depois”. O modelo do programa foi composto por 03 (três) temas específicos, quais sejam: conhecimento, higiene e preparo dos alimentos, sendo realizadas 09 (nove) sessões educativas. Desenho da avaliação Foram adotados 03 tipos de avaliação: 1. diagnóstica, como linha de base, para verificar diferenças e/ou mudanças relativas à intervenção (T0); 2. formativa, para verificar a evolução da aprendizagem e a identificação de educadores-mirins (TI); 3. somativa, para verificar a eficácia da intervenção (TF). O critério de classificação da aprendizagem se baseou no percentual de apreensão dos conteúdos abordados de acordo com os critérios adotados pela rede municipal de ensino de Teresina para aprovação, quais sejam: satisfatório ?60% e insatisfatório <60% da aprendizagem. Também foi avaliada a atitude dos escolares frente às refeições e a preferência por doces, bombons e pirulitos. Coleta e registro dos dados Os dados referentes aos conhecimentos sobre alimentação saudável foram coletados por bolsistas de iniciação científica, graduandos em Nutrição, mediante entrevistas registradas em questionários estruturados, supervisionados pela coordenadora e supervisora do projeto. Antes da aplicação, os questionários foram testados e os bolsistas treinados para o seu manuseio. E, após a realização dos 09 encontros semanais, sequenciais, eles foram reaplicados. Aspectos Éticos O estudo foi aprovado pelo CEP-UFPI, sob o CAAE nº 0076.0.045.000-11, em 16/05/11. Os pais ou responsáveis pelos alunos foram informados sobre o estudo, em reunião realizada em cada escola, onde conheceram os objetivos da pesquisa, tipo de atividades a serem desenvolvidas, importância e benefícios de forma clara. Em seguida, foram convidados a assinar o “Termo de Consentimento Livre e Esclarecido-TCLE”, de acordo com as diretrizes regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos - Resolução MS/CNS nº 196, de 10/10/1996. Tratamento estatístico Os dados foram inseridos no software SPSS versão 16.0. Foi utilizada a estatística descritiva para determinar as frequências e percentagens da ocorrência de cada evento. Verificou-se a associação das variáveis pelo teste Qui-quadrado (x2). Para todos os teste do estudo considerou-se sempre um nível de significância estatística de p<0,05.

Considerações: Ao final da intervenção educativa, foram identificados 16 escolares com potencial para multiplicador da alimentação saudável, os “educadores-mirins” que participaram de uma feira de alimentos saudáveis realizada em cada escola, como última atividade do programa educativo. Os resultados desse estudo indicam que a intervenção alimentar e nutricional proposta revela-se como uma ferramenta eficaz na modificação de conhecimento e atitudes relacionados à alimentação saudável dos escolares envolvidos, com perspectivas de mudanças para práticas alimentares mais saudáveis. De maneira geral, houve boa adesão dos escolares, da direção e funcionários das escolas e também das famílias, que contribuíram de forma satisfatória, frequentando e participando ativamente das feiras de alimentos realizadas, momento da atuação dos educadores-mirins. Como em todo estudo prospectivo, neste caso, de intervenção, a dificuldade foi manter os sujeitos até o final, entretanto, não houve perdas significativas. A expectativa é de que os resultados do estudo sirvam para reforçar a importância de ações dessa natureza na melhoria da alimentação e nutrição de crianças e adolescentes, em pré-escolas e escolas públicas, e a partir daí adotem a estratégia dessa experiência redirecionando os hábitos alimentares no sentido de atingir estilos de vida mais saudáveis nos ciclos de vida subsequentes.

Resumo da Experiêcia: O objetivo do estudo foi avaliar a eficácia de um programa de educação nutricional em escolas públicas municipais, na perspectiva da promoção da alimentação saudável, tendo como foco a identificação de escolares com potencial para ser multiplicador da alimentação saudável na escola, o “educador-mirim”. Realizou-se com escolares, de 10 a 14 anos, de ambos os sexos, matriculados no 2º semestre de 2011 e 1º semestre de 2012, em escolas da rede pública municipal de Teresina-Piauí. A definição da amostra seguiu etapas aleatorizadas. Tratou-se de intervenção com caráter quase-experimental, que possibilitou comparações “antes e depois”. O modelo foi composto por 03 temas, conhecimento, higiene e preparo dos alimentos, com 09 sessões educativas. Para padronização das técnicas educativas foi elaborado Manual “Alimentação escolar: planejamento de ações educativas”. O principal recurso utilizado foi a pirâmide alimentar brasileira. Foram adotados 03 tipos de avaliação, antes, durante e após a intervenção educativa. A classificação da aprendizagem se baseou nos critérios adotados pela rede municipal de ensino de Teresina para aprovação (60%). O educador-mirim foi identificado durante a execução de cada tema específico, classificados de acordo com a afinidade. O estudo foi aprovado pelo CEP-UFPI, os pais ou responsáveis assinaram o TCLE autorizando a participação dos alunos. Ao final, foram identificados 16 escolares com potencial para multiplicador da alimentação saudável, os “educadores-mirins” que participaram de uma feira de alimentos saudáveis realizada em cada escola, como última atividade do programa educativo. Houve elevação dos conhecimentos em relação aos conteúdos expostos, considerando os percentuais de alunos, antes e depois da intervenção, com diferença significativa (p<0,05). A intervenção alimentar e nutricional proposta revelou-se como uma ferramenta eficaz na modificação de conhecimento e atitudes relacionados à alimentação saudável dos escolares envolvidos, com perspectivas de mudanças para práticas alimentares mais saudáveis.

Palavras-Chave: estudantes alimentação saudável escola


Custo da Experiência (R$): 50.000,00

Origem do Recurso/Fonte Financiadora da Experiência: International Life Sciences Institute do Brasil (ILSI- Brasil)


Álbum de Fotos da Experiência



Biblioteca da Experiência
1 - Manual EAN.pdf.pdf


Experiências Relacionadas







Observatório Opsan UNB
facebook
twitter
Layout e programação do site Identidade visual
Faça o ligin para continuar!

clique aqui